Avante Norte Nordeste | NISS Belém do Pará

Vamos contar um pouco de como foi a primeira parte da turnê ‘Avante | Norte Nordeste’ que mesmo tendo como foco o NISS Belém, um dos principais eventos do ano, não pretendemos trazer aqui uma descrição detalhada de como foi a competição e os resultados, pois talvez essa seja a parte que menos importe para nós. Afinal, Belém é uma cidade marcada pela tradição no verdadeiro street, com inúmeros nomes de peso e uma ‘crew’ que já ultrapassa uma década de pura rua: a Ratoeira. E o NISS é mais que um evento, a cada etapa nasce e renasce da união e da vontade de fazer acontecer, coisa que só o Patins Street pode trazer… #éoNISSporra!

NISS Belém - Jimmy - Disaster Soul

NISS Belém - Podium!A primeira etapa do NISS no Norte teve um significado muito especial, pois além de ser a primeira etapa fora do Nordeste, reuniu patinadores de todas as regiões do país e abriu a porta para se pensar o NISS como circuito nacional em 2016 (será?). Além da participação de Jimmy e Mad representando a Vanguarda, outros grandes nomes como Gabriel Nunes, Alexandre Midula, Wellington Sá, Emanuel Nogueira, Allan Charles e a lenda Carlos Pianowski, contribuíram para completar o clima e deixar a festa mais divertida. Cristiano Borges como bom local, passeou pelo Street Park do Marex e levou o primeiro lugar do Open, com todo o mérito e torcida possível. 

NISS Belém - Mad - Alley Oop Top Porn - Marex

NISS Belém - Jimmy - Wallride (Tony)

Vale ressaltar que com organização e trabalho em equipe, os mestres Victor Brasil e Hugo Taichi acolheram todos e finalizaram um evento de grande porte em um período de apenas 7 horas, com direito a muito calor e chuva rápida, típica da região, para refrescar!

No dia seguinte umas das características mais extraordinárias do NISS se fez verdade. Jimmy já havia vivenciado isso algumas vezes (Teresina e São Luís), mas para o Mad foi um novo prazer em ver: todos juntos na sessão de rua. Os picos clássicos da capital paraense ficaram pequenos para tantos patinadores (como se esses estivessem ido para o Norte só pensando nessa sessão de rua, o que não deixa de ser uma verdade!). A tradição de sessões no melhor estilo Ratoeira valeu e muito, para fazer isso dar certo. Taichi, ‘Caveira’, Tony, Cristiano, Patrick, Anderson e tantos outros fizeram as honras e apresentaram os picos de Belém.

 

 

NISS Belém - Jimmy no BecoJimmy precisava voltar para São Luís junto com a crew Maranhese (que representou na rua) e se despediu com essa foto na lateral, depois de uma acalorada sessão onde ele, Mad, Midula, Taichi, Fábio, Dutra, Bia e Gabriel botaram um caninho para chorar escondido entre as barracas, depois de tantas marretadas.

Mad pôde continuar a turnê por mais dois dias, acompanhado de Midula, Gabriel e o grande Piá. A sessão nas mini-rampas de Icoaraci foi um presente para os olhos, não é todo dia que temos o privilégio de fazer uma sessão na margem do maior arquipélago de água doce do mundo: a Baía de Marajó. Gabriel é o responsável por esse fotão do Mad e ambos trabalharam para registrar o Piá aprontando das suas, com um Disaster Royal da plataforma para a grade da rampa.

NISS Belém - Mad - Áereo

NISS Belém - Piá - Disaster Royal

E como viajar para um evento de Patins Street é muito mais que só participar de uma competição, o último dia foi para conhecer melhor esse mundo à parte que é Belém do Pará, com direito a atravessar para uma das ilhas de ‘popopô’ e experimentar os peixes de água doce, é… a Amazônia!

O vídeo da turnê sairá em breve, logo depois da segunda parte da saga, que acontece em Recife, capital pernambucana, em menos de um mês… se vão sobrar pernas e fôlego? Não sabemos, mas estamos muito agradecidos pela recepção, todo suporte e carinho no Norte, deixamos aqui um OBRIGADO bem grande!!!

Avante | Norte Nordeste!

Sessão R.I.P | Fabio Mad

Esse é o segundo post da série RIP – Rest In Peace (Descanse em Paz). A intenção é usar o sombrio conceito dessa frase para enfim nos despedirmos de nossos fiéis companheiros de sessão: nossos patins. É hora de dar boas-vindas aos novos modelos da SSM que estão à caminho, mas agora vamos primeiro homenagear o finado SSM Marc Moreno do Fabio Mad.

Sessão RIP - Mad e o jovem SSM Marc MorenoEm julho de 2012 o Mad fez suas primeiras cenas com esse SSM em uma sessão com Ton Neves e Daniel Santos. Eles estavam gravando no ‘caninho’ do Morumbi e o Mad aproveitou a câmera parada para registrar algumas manobras de ‘prima’. A regra era que só entrariam no vídeo as manobras acertadas na primeira tentativa. Bom, depois de quase 3 anos, nada mais justo que voltar ao clássico pico para fazer o vídeo de despedida e, para honrar o anterior, as manobras no ‘caninho’ também foram todas de ‘prima’. O tom fúnebre da trilha foi escolhido com carinho: é um Jazz clássico de funerais em New Orleans, usado aqui com todo respeito para se despedir de um grande companheiro de sessão, e por que não dizer de vida!

SSM Marc Moreno do Mad: ✡ Julho de 2012 – † Abril de 2015

Confiram o vídeo que inspirou essa despedida clicando aqui. E para quem está ansioso sobre novidades dos novos modelos da SSM, podem ir juntando as moedas que em maio eles estarão disponíveis em nossa loja on-line e de outros parceiros espalhados pelo Brasil!

SSM | Em todos os sentidos,

Vanguarda!

Vanguarda | Na Pista

Esse post encerra as comemorações de um ano de Vanguarda e também dá abertura para uma nova fase. Mas antes disso, já estava na hora de apresentar uma verdade inegável, afinal, mesmo depois de tanto nos afirmarmos como patinadores de rua (onde de fato acreditamos estar a essência do patins street), temos de confessar que nos amarramos em uma sessão ‘Na Pista!’

A primeira mini tour pré Vanguarda terminou com todos os membros em uma cansada sessão em São Bernardo ‘Campon’, a segunda-feira ensolarada engana a temperatura e os ânimos escodem o cansaço depois de quatro dias de sessão seguidos na rua, filmando e fotografando para o lançamento da marca. Esse vídeo também foi filmado pelos amigos Felipe Zamba e Kaia Malaghini em 2013 e ficou guardadinho esse tempo todo esperando o momento certo de ser lançado. (Assim como esse Fastslide ‘Grebadinho’ do Erick, também por Felipe Zamba)

Erick - Fast - Na Pista

‘Na Pista’ é uma nova série com os membros da Vanguarda fazendo o que muitos patinadores fazem em todas as sessões: escolher um pico, amigos, patinar sem se preocupar em produzir e sem ‘mindgames’ para vencer. É simplesmente deixar fluir e repetir, ou não, as mesmas manobras de sempre, com um sorriso no rosto e a satisfação de estar fazendo o que mais gosta. Apesar de gostar muito da rua, aprendemos a respeitar e gostar muito das sessões cotidianas que acontecem em pistas e picos espalhados por ai, sem restrição mas com muita diversão!

Em todos os sentidos,

Vanguarda

Making of | Fotografia | Felipe Zambardino

Esse post-homenagem marca as comemorações do primeiro ano da Vanguarda. O vídeo ‘making of’ que apresentamos pela primeira vez agora, foi filmado há mais de um ano e meio atrás, e mesmo depois de tanto tempo, ainda não temos palavras para agradecer a parceria do casal mais emblemático do Patins Street nacional: Felipe Zambardino e Kaia Malaghini foram também os responsáveis por várias imagens e fotos que postamos nesse meio tempo. E ainda vão assinar pelas cenas do nosso próximo vídeo, o primeiro da série ‘Na Pista’, que sairá muito em breve, aguardem.

Mad e Zamba patinam juntos desde os anos 90, convivem e respiram a mesma cultura, mas só depois de muitos ‘cliques’ e ‘recs’ na camaradagem, conseguiram fechar uma parceria mais profissional. Contudo, muito além de um trabalho, a amizade continua sendo o fio condutor para dar certo. Desde o primeiro encontro com os membros da Vanguarda, o paizão Zamba praticamente adotou-os e tem os recebido em casa de braços abertos e com sorriso no rosto, sempre que pode. Na última visita, fez questão de fotografar e tratar esses três retratos: Lucas, Mad e Jimmy, respeitando todos os pontos da nossa identidade visual, para assiná-los com orgulho, do início ao fim.

Mas esse post é mais do que um agradecimento, gostaríamos mesmo de chamar a atenção para o excelente trabalho que Zamba tem feito para cena, afinal, em pouco tempo ele se consolidou como um dos principais fotógrafos do Patins Street. Isso não pode passar desapercebido em uma cultura que busca se consolidar, são esses ‘instantes fixados’ que vão dizer para os patinadores das próximas gerações quem fomos e o que fizemos. Tomando por base uma frase do pai do fotojornalismo, podemos dizer que o que o Zamba tem feito, para além de arte, é não deixar que o Patins Street desapareça na história.

 “De todos os meios de expressão, a fotografia é o único que fixa para sempre o instante preciso e transitório. Nós, fotógrafos, lidamos com coisas que estão continuamente desaparecendo e, uma vez desaparecidas, não há mecanismo no mundo capaz de fazê-las voltar outra vez. Não podemos revelar ou copiar uma memória.”

– Henri Cartier-Bresson

A Vanguarda se orgulha de, nesse primeiro ano de história, ter conseguido deixar tão verdadeiros e belos ‘instantes’ nas lentes desse patinador e fotógrafo, que por excelência se tornou uma referência e um dos mais respeitados membros de nossa cultura… Obrigado Zamba!

Em todos os sentidos,

Vanguarda.

Imune em ‘Campon’ | #treinaremeupinto

Já faz um tempo que usamos uma impopular ‘hashtag’ em nossas fotos: #treinaremeupinto.  Para nós ela é um símbolo de uma fase, acho que chegou a hora de uma importante explicação: não estamos ligando a mínima para competições! Mas calma, é pessoal e intransferível. Respeitamos quem gosta e já gostamos também, só não estamos mais com vontade e temos alguns motivos!

Mad - TTS Poly Jam - Imune T!!!Mad e Jimmy patinam juntos pelas mesmas marcas há um tempo, se divertiram muito em eventos, campeonatos e a porra toda, sem hipocrisia… mas se cansaram! Com a Vanguarda conseguiram companhia nesse estado letárgico que explica o relaxo nos principais eventos da cena. Erick, Lucas e Max estão no mesmo não-ritmo de competição. Pode ser uma fase ou um traço de maturidade, não sabemos direito, mas o fato de estar mais a fim de se divertir é o principal motivo. Com a Vanguarda vieram fotos, vídeos e muitas missões pessoais a cumprir, então, às vezes só precisamos de um fim de semana livre, com o patins no pé, amigos e um pico agradável!

Um exemplo perfeito foi aproximadamente há um mês. Jimmy, Lucas e Mad participaram do IMUNE em Campon. Patinar em casa, com os amigos e sem esperar nenhum resultado, tornou o dia leve e divertido. Jimmy chegou às 3h da tarde com a cara inchada de sono e cheio de vontade. Ficou em 4º lugar para provar que não somos atletas e patinar é muito mais estado de espírito, do que treino. Lucas passou o aquecimento todo brincando no caixotinho, ainda assim terminou em 7º, e o Mad não foi pra final (contudo, não consegue deixar de sorrir quando vê essa foto do TTS* no ‘pole jam’ aí em cima!). Maxwell passou por uma experiência parecida na segunda etapa do PSP em Peruíbe, uma semana antes. Ele resolveu seguir o ‘flow’ e fazer o que estava com vontade: passeou pela pista na eliminatória somente com Frontsides e Backsides “sem se preocupar com o nível das manobras”, passou raspando em 9º e terminou em 5º no ‘profissional’. (Tem o vídeo da volta na página dele no facebook, só clicar!)

Jimmy - TopSoul Tork - Imune TOu seja, sabe aquilo de treinar antes, montar uma linha perfeita, cheia de manobras difíceis para os juízes, deixar de fora ‘aquela’ que você gosta, dormir tarde cheio de ansiedade, acordar cedo com sono, pernas trêmulas na hora e ficar triste se errar tudo que tinha planejado? É muito mais gostoso não sentir nada disso e simplesmente patinar, pode confiar! Romper com o romantismo de viver como patinador e fazê-lo por prazer, livre, com um sorriso no rosto e a música certa no fone! Enfim, não vamos deixar de ir aos eventos, afinal estar presente é o que mais importa, encontrar nossos velhos e futuros amigos. Mas é bom deixar bem claro, não vamos treinar! Tudo bem para vocês?

E gostaríamos de agradecer ao Tchesco Xgrind pelas fotos e parceria, sempre!

.

Lucas - One Roll - Imune T!

Em todos os sentidos!

* TTS é a abreviação da manobra True Spin Top Soul

 

Festa de Lançamento!

Em novembro de 2012 começamos a buscar algo mais que um nome, para o que é algo mais que uma loja on-line. Vanguarda é o termo tradicionalmente usado para quem está à frente de seu tempo, para quem busca romper com o tradicional e apresentar o novo para toda uma cultura. O punho erguido é um símbolo de resistência e de luta. Vamos exatamente nesse sentido, a começar pela festa de lançamento.

Depois de tanto trabalho, não poderíamos deixar de comemorar com os amigos mais próximos e todos os parceiros envolvidos. Na festa apresentamos os membros e mostramos em primeira mão a essência de cada um em forma de vídeo (montagem). Nada melhor que um típico Snooker Bar regado ao som de clássicos do rock, blues e jazz, para a merecida descontração e para ‘bebemorar’ a chegada, literalmente!

Confiram as fotos da querida amiga Carol Macedo, e se precisarem de algo do tipo entrem em contato – (11) 98418-4479 – carolina_macedo@live.com

Em todos os sentidos!

Vanguarda | Em todos os sentidos!

Um pulso fechado erguido em sinal de luta pela consolidação de uma cultura nova, porém crescente, que definiu a rua como seu local de afirmação. Trabalhamos somente com a modalidade que faz nossos corações pulsarem, somos uma loja de Patins Street e mesmo que isso nos coloque em oposição às tendências do mercado, vamos sempre nos mover nessa direção. Trabalhar e patinar para ir além, criar e recriar constantemente, queremos expandir esse mercado, romper com o tradicional e apresentar o não convencional. Mais do que o ciclo básico de comprar e vender, ser referência é também nossa vontade; ir ao encontro de tudo que compõe nossa cultura: arte, cinema, música, a rua.

Escolhemos as marcas que distribuímos pelo seu posicionamento, com base no que elas representam e oferecem para o fortalecimento do Patins Street no Brasil e no mundo. O que vai muito além de especialização e produtos tecnologicamente desenvolvidos, pois a qualidade de cada marca é uma consequência lógica de sua formação e desenvolvimento. Não é mais uma questão simplesmente técnica, esse patamar de preocupação já foi superado no decorrer da nossa história. A evolução dos produtos é apenas uma parte de um movimento muito maior de afirmação cultural, do qual buscaremos sempre fazer parte.

Não somos atletas representando um esporte. Vivemos outra cultura, na qual treinos e competições não têm tanta importância, mas respeitamos quem compete por vontade de vencer os seus próprios limites. Surgimos com a rebeldia do posicionamento na contracultura do ‘esporte’ e a coragem de nos colocarmos como referência para quem acredita em outros caminhos. Vivemos a cada minuto nossas escolhas, vivemos o Patins Street!

Em todos os Sentidos.

Vanguarda!