Maxwell Alexandre e seu “SANGUE PRETO”

O que o Max está fazendo? Essa pergunta tem sido cada vez mais frequente nas sessões que fazemos por aí. Devolvemos e respondemos: isso tem importância para você? Claro! Max construiu ao longo dos anos uma história dentro do que chamamos Patins Street, ver uma virada nesse momento é no mínimo intrigante, mas para quem está próximo faz todo sentido. Afinal, o Maxwell Alexandre está fazendo Arte e isso é ótimo!

Maxwell - Sangue Preto - InstalaçãoSANGUE PRETO é um dos projetos mais elaborados que vimos nascer dentro dessa cultura, pois vai para além de seu público habitual. Chega ser difícil limitar em palavras o que apresentamos agora: patins street em vídeo, foto, pintura, instalação… ou se preferir: é Patins Street como fim e ferramenta para a forma artística.

O trabalho é resultado do amadurecimento como estudante de comnicação visual e o completo enviesamento pelas artes plásticas. Foi desenvolvido dentro de sua pesquisa de graduação e também uma forma de promover a parceria com a SSM, afinal, os novos e tão esperados patins chegaram no meio do processo (há dois anos atrás, enquanto o Gávea Tourist Hotel abandonado era ateliê e praticamente o segundo lar do Max).

Meu trabalho tinha um foco inicial específico, promover os novos SSMs. Porém, coincidiu de eu recebê-los exatamente no momento em que fazia uma autocrítica de minha trajetória dentro do Patins Street. Patrocínios, títulos, mídias, viagens, competições, tudo isso foram etapas importantes para eu chegar exatamente onde estou, cada degrau ajudou a solidificar meu nome dentro desta cultura, pelo menos em território nacional. Agora, o que me resta? Por que realmente ando de Patins Street? Eu me encontrava em transição, andar de Patins Street deixou de ter um fim prático e passou a ser uma atitude vadia, um meio para minhas criações.”

O fim da SSM em agosto de 2015 foi a pedra de toque nesse processo de transformação. Obviamente o Max não decidiu parar de patinar e muito menos deixar o trabalho pela metade por isso, mas em suas próprias palavras o novo cenário:

“…certamente alterou o caminho do Projeto, que foi deixando cada vez mais o lado da propaganda e se tornando uma homenagem à marca”

Uma vez que não existe mais enquanto marca, para nós a SSM virou um símbolo de resistência e um motivo para ver toda a indústria do Patins Street de outra forma. Já não esperamos outras marcas, mas, outras atitudes de quem leva à frente essa comunidade. O momento é de rever os passos e planejar novas ações para a cena.

Maxwell - Sangue Preto - Fish Stall

O Sangue Preto e audacioso de Maxwell Alexandre é um passo nessa direção, pois abre caminho para que nossa cultura seja mais do que um monte de manobras aglutinadas em um vídeo de patins. Somos apaixonados por isso e sempre será parte da vida: patinar, registrar e disseminar. Uma vez que não esperamos mais nada do Patins Street, finalmente ele pode ser tudo!

We Bleed Black