Vanguarda | Na Pista

Esse post encerra as comemorações de um ano de Vanguarda e também dá abertura para uma nova fase. Mas antes disso, já estava na hora de apresentar uma verdade inegável, afinal, mesmo depois de tanto nos afirmarmos como patinadores de rua (onde de fato acreditamos estar a essência do patins street), temos de confessar que nos amarramos em uma sessão ‘Na Pista!’

A primeira mini tour pré Vanguarda terminou com todos os membros em uma cansada sessão em São Bernardo ‘Campon’, a segunda-feira ensolarada engana a temperatura e os ânimos escodem o cansaço depois de quatro dias de sessão seguidos na rua, filmando e fotografando para o lançamento da marca. Esse vídeo também foi filmado pelos amigos Felipe Zamba e Kaia Malaghini em 2013 e ficou guardadinho esse tempo todo esperando o momento certo de ser lançado. (Assim como esse Fastslide ‘Grebadinho’ do Erick, também por Felipe Zamba)

Erick - Fast - Na Pista

‘Na Pista’ é uma nova série com os membros da Vanguarda fazendo o que muitos patinadores fazem em todas as sessões: escolher um pico, amigos, patinar sem se preocupar em produzir e sem ‘mindgames’ para vencer. É simplesmente deixar fluir e repetir, ou não, as mesmas manobras de sempre, com um sorriso no rosto e a satisfação de estar fazendo o que mais gosta. Apesar de gostar muito da rua, aprendemos a respeitar e gostar muito das sessões cotidianas que acontecem em pistas e picos espalhados por ai, sem restrição mas com muita diversão!

Em todos os sentidos,

Vanguarda

Making of | Fotografia | Felipe Zambardino

Esse post-homenagem marca as comemorações do primeiro ano da Vanguarda. O vídeo ‘making of’ que apresentamos pela primeira vez agora, foi filmado há mais de um ano e meio atrás, e mesmo depois de tanto tempo, ainda não temos palavras para agradecer a parceria do casal mais emblemático do Patins Street nacional: Felipe Zambardino e Kaia Malaghini foram também os responsáveis por várias imagens e fotos que postamos nesse meio tempo. E ainda vão assinar pelas cenas do nosso próximo vídeo, o primeiro da série ‘Na Pista’, que sairá muito em breve, aguardem.

Mad e Zamba patinam juntos desde os anos 90, convivem e respiram a mesma cultura, mas só depois de muitos ‘cliques’ e ‘recs’ na camaradagem, conseguiram fechar uma parceria mais profissional. Contudo, muito além de um trabalho, a amizade continua sendo o fio condutor para dar certo. Desde o primeiro encontro com os membros da Vanguarda, o paizão Zamba praticamente adotou-os e tem os recebido em casa de braços abertos e com sorriso no rosto, sempre que pode. Na última visita, fez questão de fotografar e tratar esses três retratos: Lucas, Mad e Jimmy, respeitando todos os pontos da nossa identidade visual, para assiná-los com orgulho, do início ao fim.

Mas esse post é mais do que um agradecimento, gostaríamos mesmo de chamar a atenção para o excelente trabalho que Zamba tem feito para cena, afinal, em pouco tempo ele se consolidou como um dos principais fotógrafos do Patins Street. Isso não pode passar desapercebido em uma cultura que busca se consolidar, são esses ‘instantes fixados’ que vão dizer para os patinadores das próximas gerações quem fomos e o que fizemos. Tomando por base uma frase do pai do fotojornalismo, podemos dizer que o que o Zamba tem feito, para além de arte, é não deixar que o Patins Street desapareça na história.

 “De todos os meios de expressão, a fotografia é o único que fixa para sempre o instante preciso e transitório. Nós, fotógrafos, lidamos com coisas que estão continuamente desaparecendo e, uma vez desaparecidas, não há mecanismo no mundo capaz de fazê-las voltar outra vez. Não podemos revelar ou copiar uma memória.”

– Henri Cartier-Bresson

A Vanguarda se orgulha de, nesse primeiro ano de história, ter conseguido deixar tão verdadeiros e belos ‘instantes’ nas lentes desse patinador e fotógrafo, que por excelência se tornou uma referência e um dos mais respeitados membros de nossa cultura… Obrigado Zamba!

Em todos os sentidos,

Vanguarda.

Andrey Akira | Sempre será Vanguarda!

É com muito orgulho que escrevemos esse post, antes da Vanguarda existir já estávamos sendo apadrinhados por uma das figuras mais icônicas do Patins Street paulistano… italiano e japonês! Andrey Akira nos acompanhou durante os primeiros passos e por um ano de amadurecimento, crescimento e diversão. O ‘Godfather’ se despede agora como membro da Vanguarda, mas sempre será nosso padrinho nas sessões mais divertidas pela rua. A vida dá passos largos e ele já foi bem acolhido pelo amigos da Rolling Sports, é hora de trabalhar de forma mais intensa com nossa cultura, e deixar o pouco tempo para pôr o patins no pé e se divertir mais, sem se preocupar com fotos, vídeos e missões. Afinal o que não pode é deixar de ‘estourar a granada’ em algum lugar no fim de tarde!

Layout | anúncios

 

A despedida é em grande estilo e com o sorriso de sempre no rosto, foi mais de um ano junto da Vanguarda, nada melhor que um vídeo para marcar o período de SSM e mostrar só um pouquinho do que esse malandro já fez nos velhos picos de Sampa. Apesar das diversas lesões que atrasaram as sessões no começo, Akira recuperou o ritmo e hoje patina com a experiência da velha-guarda, mas com a disposição e espírito de garoto. Basta apertar o ‘play’ para sentir isso, ficamos surpresos e muito felizes com o resultado. Por fim, não poderíamos deixar de agradecer o fechamento e desejar boa sorte na nova fase, vai pra cima ‘Avelinos’ porque para nós você sempre será Vanguarda!

Aproveite para conhecer um pouco mais sobre o Akira em sua página aqui no site, vamos mantê-la no ar até o fim desse mês.

 

Obrigado por todo esse tempo de Vanguarda

Em todos os sentidos!

Jimmy | Cajuína Trip e o NISS Teresina

Jimmy Ferreira saiu de São Bernardo rumo à etapa do NISS* Teresina dia 11 de agosto, mas passou em São Luís antes, para se juntar aos bons e velhos amigos da ilha: Dutra Junior, Jonas Araújo, Dirceu Carlos e Victor ‘Coruja’ da nova geração do Maranhão!

Depois de 500km de estrada em boa companhia e muitas risadas chegaram à pista de Potycabana (local do evento), a alegria durou 30 minutos até apagarem as luzes e expulsarem os viajantes. “Chorarê” e partiu para pista mais próxima, fazer aquela sessão frenética com os patinadores locais além de encontrar com os velhos amigos: Allan Charles de Fortaleza e Tony de Belém.

Cajuína Trip - Jimmy, Tony e Allan Charles

O NISS Teresina foi no período da tarde para fugir do forte sol e calor da capital, a cidade lotada de gente prestigiou o que tem de melhor no Patins Street nordestino. Energias boas e muita gente patinando feliz, a nova geração está crescendo lá pra cima. Jimmy foi o único representante da tripulação na final, a pista já conhecida e o clima de diversão ajudaram. Marretou e terminou com o primeiro lugar do open (afinal #treinaremaupinto e levar o troféu para casa é mera e feliz consequência!). Apesar ter perdido um tênis que esqueceu na pista, faturou um patins como premio, um pra lá outro pra cá, nas contas da rua tá tudo certo… HAHAHA!

Mas o melhor ainda estava por vir, nas palavras do Jimmy: “O churrasco na casa do Gentyl Linhares (organizador da etapa) foi foda!” Piscina com boa parte dos malandros que participaram do evento, com direito a serie de ‘mortais’ no arremesso e sessão no caninho de queda da churrasqueira. (Jimmy entre outras deixou esse Frontside na lente do Jonas!).

Cajuína Trip - Jimmy - Frontiside

Cajuína Trip - Galera na Piscina

O dia seguinte foi de sessão na Federal do Piauí, muitas ideias sobre Patins Street e a cena no nordeste. Jimmy e todos os amigos envolvidos fizeram um vídeo para registrar a Cajuína Trip e gostariam de agradecer ao Gentyl (The Rolling) pela recepção e diversão e ao Tony pelas fotos do post!

 * NISS – É o Nordeste In-line Series, o primeiro circuito de competições que já passou por sete dos nove estados nordestinos.

Lucas Fernandes | Membro

Você sabe o significado de prospect ? Seguindo a mesma estrutura da SSM escolhemos os membros da Vanguarda, em quatro diferentes níveis: a primeira linhagem, segunda linhagem, um padrinho da velha-guarda e, enfim, os prospects. Patinadores novos, pouco conhecidos na cena, mas que são o provável futuro… Espera! Mas de que futuro estamos falando? Podem ter certeza que não é como patinador envolvido, que corre todos os eventos, faz ‘o corre’ e tá no ‘game’, isso não combina com a gente! Por outro lado, patinadores que por suas escolhas, personalidade e criatividade, podem ser as futuras referências disso que chamamos de Patins Street. Lucas foi o primeiro prospect escolhido e podem ter certeza, não poderíamos ter sido mais felizes na escolha, com seu jeito atípico e descontraído já é muito influente para importantes patinadores!

Layout | anúncios

Com apenas 20 anos de idade já conquistou seu espaço como um dos patinadores mais criativos da sua geração. Mente livre de padrões, busca muitas e constantes referências em tudo que possa lhe dar novas ideias de como patinar, além da ‘forcinha’ natural que herdou ao ter mais propensão para as manobras de Negative: sua estranha e mais característica marca registrada! Seu primeiro vídeo é o resultado de um longo processo de amadurecimento como patinador, muitas das manobras foram aprendidas com o ‘rec’ ligado e se tivesse de escolher, acreditamos que não mudaria um segundo sequer do resultado final. Aumente o som e abra a mente antes do play, com vocês Lucas Fernandes mudando um pouco do que tínhamos pensado sobre Patins Street!

A mistura de gostos e de referências que ajudaram a compor esse role criativo, estão no perfil completo dele, aqui, no site da Vanguarda!

Vanguarda | Em todos os sentidos!

Imune em ‘Campon’ | #treinaremeupinto

Já faz um tempo que usamos uma impopular ‘hashtag’ em nossas fotos: #treinaremeupinto.  Para nós ela é um símbolo de uma fase, acho que chegou a hora de uma importante explicação: não estamos ligando a mínima para competições! Mas calma, é pessoal e intransferível. Respeitamos quem gosta e já gostamos também, só não estamos mais com vontade e temos alguns motivos!

Mad - TTS Poly Jam - Imune T!!!Mad e Jimmy patinam juntos pelas mesmas marcas há um tempo, se divertiram muito em eventos, campeonatos e a porra toda, sem hipocrisia… mas se cansaram! Com a Vanguarda conseguiram companhia nesse estado letárgico que explica o relaxo nos principais eventos da cena. Erick, Lucas e Max estão no mesmo não-ritmo de competição. Pode ser uma fase ou um traço de maturidade, não sabemos direito, mas o fato de estar mais a fim de se divertir é o principal motivo. Com a Vanguarda vieram fotos, vídeos e muitas missões pessoais a cumprir, então, às vezes só precisamos de um fim de semana livre, com o patins no pé, amigos e um pico agradável!

Um exemplo perfeito foi aproximadamente há um mês. Jimmy, Lucas e Mad participaram do IMUNE em Campon. Patinar em casa, com os amigos e sem esperar nenhum resultado, tornou o dia leve e divertido. Jimmy chegou às 3h da tarde com a cara inchada de sono e cheio de vontade. Ficou em 4º lugar para provar que não somos atletas e patinar é muito mais estado de espírito, do que treino. Lucas passou o aquecimento todo brincando no caixotinho, ainda assim terminou em 7º, e o Mad não foi pra final (contudo, não consegue deixar de sorrir quando vê essa foto do TTS* no ‘pole jam’ aí em cima!). Maxwell passou por uma experiência parecida na segunda etapa do PSP em Peruíbe, uma semana antes. Ele resolveu seguir o ‘flow’ e fazer o que estava com vontade: passeou pela pista na eliminatória somente com Frontsides e Backsides “sem se preocupar com o nível das manobras”, passou raspando em 9º e terminou em 5º no ‘profissional’. (Tem o vídeo da volta na página dele no facebook, só clicar!)

Jimmy - TopSoul Tork - Imune TOu seja, sabe aquilo de treinar antes, montar uma linha perfeita, cheia de manobras difíceis para os juízes, deixar de fora ‘aquela’ que você gosta, dormir tarde cheio de ansiedade, acordar cedo com sono, pernas trêmulas na hora e ficar triste se errar tudo que tinha planejado? É muito mais gostoso não sentir nada disso e simplesmente patinar, pode confiar! Romper com o romantismo de viver como patinador e fazê-lo por prazer, livre, com um sorriso no rosto e a música certa no fone! Enfim, não vamos deixar de ir aos eventos, afinal estar presente é o que mais importa, encontrar nossos velhos e futuros amigos. Mas é bom deixar bem claro, não vamos treinar! Tudo bem para vocês?

E gostaríamos de agradecer ao Tchesco Xgrind pelas fotos e parceria, sempre!

.

Lucas - One Roll - Imune T!

Em todos os sentidos!

* TTS é a abreviação da manobra True Spin Top Soul

 

Maxwell | Plaza 50mm por Raoni Azevedo

Alguns meses atrás Max recebeu os novos patins como ‘Prospect’ da SSM. A ocasião merecia um vídeo de apresentação e a parceria com o videomaker Raoni Azevedo já estava fechada. Contudo, o tempo estava curto e a forma de patinar como sempre se transformando, sem tempo para tantos mindgames* dessa vez, o resultado foi um role tranquilo e divertido nas novas pistas cariocas: Lagoa e Duó!

Plaza 50mm

Todo esse contexto é perfeito e comum para a grande maioria dos patinadores que trabalha, estuda, namora e tem pouco tempo para filmar seus vídeos. O resultado da parceria é completamente novo: filmado com as clássicas lentes 50 milímetros, o vídeo nasceu naturalmente, sem muitas escolhas e conceituações, assim como o role simples e ‘classudo’ do Max. Cenas fechadas, closes e mais closes, muita luz nas manhãs cariocas, deixam claro o clima das sessões de apenas duas horas antes da pista encher e a responsabilidade bater: hora de ir estudar!

Essa parceria do Max com Raoni fazem do Plaza 50mm uma pequena amostra de como o olhar atrás da câmera pode mudar completamente um vídeo. E também que ser Patinador de Street vai muito além de fazer manobras!

Em todos os sentidos!

* mindgame é o termo usado para definir o que passa na cabeça de um Patinador de Street antes de um manobra. É uma batalha interna para vencer: medo, receios, apurar os sentidos, a concentração. Ou seja, é um jogo para convencer a própria mente do que somos capazes!

Extra, extra, Patins Street é assunto de jornal!

Quantos patinadores você conhece que leem jornal? Ou melhor, quantos patinadores você já viu no jornal? Recentemente, Max e Jimmy foram destaques em jornais locais, Jimmy ganhou a capa do caderno de esportes do ‘O Imparcial’, principal jornal maranhense, e Max acaba de sair no ‘Expresso’, e a versão impressa do Extra, da globo.com no Rio de Janeiro.

-Entretanto fazer esse tipo de matéria tem dois lados: Corremos os riscos de ter fotos estranhas, que não mostram nada com nada e indesejados ‘apelidos’ que não sabemos por qual motivo

os jornalistas teimam em inventar. Mas por outro, pode ser uma experiência agradável e bem divertida. Colocando de fora os motivos pessoais que cada um pode obter com a visibilidade, sabemos que poucas vantagens virão diretamente, como um apertão de bochechas da tia, os parabéns de alguma ‘garota’ nas redes

sociais ou um ‘tapinha’ nas costas do patrocinador. Então, porque fazer? Já respondemos: na real os ‘riscos’ pouco importam, mas sim firmar nosso grupo social para o máximo de pessoas, em especial os leitores desse meio de comunicação!

.

Jimmy - O Imparcial!!!

Max e Jimmy são bons exemplos de como um pouco de clareza, personalidade e postura, podem ainda melhorar as coisas. Ambas as matérias conseguem respeitar não somente as personalidades como apresentar para outro público – aquele que lê jornais – um pouco da nossa cultura. Agora há de se entender, uma vez que o público dos jornais é outro, a linguagem por completo também é outra (texto e fotos). Max conta que mesmo sugerindo para o fotografo mostrar todo o ‘pico’ na foto, ele preferiu fazer um registro mais cotidiano, registando como a manobra se insere na vida de pessoas comuns, que estão indo trabalhar ou qualquer coisa do tipo. O resultado é bem interessante e pode fazer muito mais sentido para o leitor. Se impor e ser firme diante de uma matéria jornalística é nosso papel em respeito a  imagem que as pessoas farão de nós. Jimmy fez questão que fosse escrito da maneira correta e de fácil entendimento para qualquer leitor: somos ‘Patinadores de Street’ e ponto.

-

Gostaríamos de agradecer as fotos gentilmente cedidas pelo Thiago Lontra e Raoni Azevedo, e para quem quiser conferir a matéria do Max completa no Extra, é só clicar aqui!
.

Em todos os sentidos!

Jimmy agora é ‘anti-herói’ da Grab 666

Um posicionamento atípico e muito explícito foi o suficiente para o Jimmy conquistar mais uma forte parceria. Além da Hollyweed e da Santo Forte Tatuagem, agora Jimmy também contará com o fechamento total da Grab 666. Marca de roupa que é sua cara e atende as vontades de tio Lúcio!

Jimmy - Tatoo DedosA Grab nasceu da união de elementos que compõem a vida de muitos patinadores: atitude, design, esporte, moda e música. A marca com apenas um ano tem um ideal bem claro e uma proposta simples: “(…) o conceito GRAB, que é ir contra a cultura dominante, prezar pela liberdade, ser radical, expressivo, inovador e sempre escolher o lado obscuro.”

Em maio Jimmy irá para Curitiba conhecer melhor a marca e terminar o vídeo mais sujo que já produziu, resta se benzer e aguardar… Hellyeah Jimmy!

É mais uma empresa apoiando nossa cultura, vale conferir o site da Grab 666 aqui.

Em todos os sentidos

Jimmy Ferreira | Membro

Jimmy dispensa apresentações, é membro da família desde os tempos da Move, tornou-se uma das personalidades mais fortes para o Patins Street e em 2014 passa a patinar com profissional… pode esperar Destruição!

Três anos morando em São Paulo foram suficientes para firmar sua personalidade e conquistar muito respeito. Gostos e opiniões declarados entram em sintonia com todas as parcerias que tem fechado nesse período: além de membro da Vanguarda, também representa a Hollyweed Brasil e, recentemente, a Santo Forte Tatuagem. O profissionalismo veio sem treino ou precisar se provar em campeonatos, Jimmy é filho de outra cultura, que se consolida todos os dias na rua. São Luís ou São Bernardo? Não importa muito, o que importa é colocar para baixo com um role sujo, mas sem perder a classe!

Anuncio

O vídeo para a Vanguarda é o maior exemplo da influência que as duas cidades têm sobre o malandro. Depois de um tempo sem fluir muito em Sampa, bastaram algumas semanas na ilha para voltar na instiga e destroçar os velhos e conhecidos canos. O resultado é muito peso, da trilha a cada cena!

Jimmy é um figura atípica, não deixe de ver o perfil completo aqui no site da Vanguarda!

#treinarémeupinto!

Vanguarda | Em todos os sentidos!